OS CANDIDATOS 

Os candidatos são aqueles que respondendo ao convite de Deus, através do Filho, com a força e a ajuda do Espírito Santo, querem Server a Cristo e a sua Igreja de um jeito especialíssimo da Congregação do Jesus e Maria (CJM). Os jovens admitidos ao nosso processo inicial de formação Eudista, desenvolve seu espírito vocacional junto de um acompanhamento vocacional com todos os aqueles que desejam ingressar à congregação, liderados por assessores vocacionais e uma equipe de Eudistas, posteriormente passam à fase de aprovação que os disponibiliza para continuar seu discernimento vocacional com mais coragem e firmeza.

A formação ao longo da aprovação se propõe lograr o progresso integral da personalidade do candidato, dentro da coerência cada vez maior entre sua fé e sua cotidianidade, com a finalidade de favorecer a total realização de sua vocação, segundo o plano de Deus.

  • Saúde adequada 
  • Cultura geral de base
  • Estudos de graduação finalizados ou iniciados e pelo menos as disciplinas na área filosófica para ingressar à teologia;
  • Existência de uma verdadeira atitude e disposição para o processo formativo:
  • Capacidade de opção baseados em motivos autênticos e sentido de responsabilidade;
  • Intenção reta;
  • Desejo profundo da vida cristã;
  • Juízo reto e fortes bases morais;
  • Capacidade de viver em comunidade, em obediência e espírito de fé; 
  • Afetividade tranquila e equilibrada e adequada capacidade relacional;
  • Boa experiência de vida cristã e de apostolado;
  • Amor por São João Eudes e pela missão Eudista.

http://portal.cjm.org:8089/images/familyeudiste.jpg
OS INCORPORADOS

Constituições sete e setenta e cinto Depois da aprovação que tem duração de mínimo quatro (4) anos, os Eudistas vinculam-se à congregação normalmente dentro de uma província, mediante uma promessa de fidelidade perpetua chamada “Incorporação”. Este ato se estabelece entre a CJM e o incorporado, tendo os direitos e deveres já definidos pelas constituições.

O que é a Incorporação?

A incorporação é a entrada definitiva na Congregação para o serviço da Igreja. Além disso, é a resposta que oferece aquele que deseja fazer parte da Congregação de Jesus e Maria, do chamamento que dirige o Padre, mediante do seu Filho e a graça do Espirito Santo. Por este ato ratifica-se a eleição que do serviço que se fez na Igreja para promover a sociedade e Server e realizar sua vocação à santidade, mediante a adoração e dentro de uma vida apostólica vivida na comunidade.

Quais são os efeitos da Incorporação?

Estabelece-se por incorporação, quando o incorporado, os demais Eudistas e a Congregação forjam um compromisso recíproco de fidelidade:

  • Aquele que se incorpora expressa seu compromisso por viver e morrer na Congregação para Server nela ao Cristo e a sua Igreja, a respeitar as Constituições e desenvolver as tarefas que lhe http://portal.cjm.org:8089/images/incorporaccioon.jpgfossem indicadas;
  • Quem já está incorporado, será acolhido como irmão e comunicam o risco do seu compromisso, falam das suas esperanças, suas alegrias, dores e esforços;
  • A Congregação compromete-se a proporcionar ao incorporado os meios de básicos previstos nas Constituições, para que consiga se dedicar ao Serviço na Igreja, tendo as suas necessidades básicas satisfeitas;


A incorporação é por natureza, um compromisso perpetuo, mas Superior Geral pode dispensar o incorporado, com o consentimento do conselho geral. Em virtude da Incorporação dos Clérigos ficam incardinados à Congregação de Jesus e Maria.

OS ASSOCIADOS E AMIGOS EUDISTAS

http://portal.cjm.org:8089/images/nosotrosincorpor.jpgOs associados são os membros da Igreja que decidem associar-se à congregação de Jesus e Maria para acrescentar sua vida espiritual, sua vida fraternal e seu serviço missionário.

A presença dos Associados é uma graça destes tempos para toda a Igreja (Cfr. João Paulo II, Vita Consecrata 56), e particularmente para a Congregação de Jesus e Maria. Na 63ª Assembleia Geral de Quito 2001 confirmou-se a decisão dos incorporados darem espaço aos Associados. Na seguinte Assembleia Geral realizada na cidade de Quebec em 2007 definiu a associação à Congregação de Jesus e Maria na Constituição 7b.

A associação quer dizer a comunhão na fé e na missão, cujo fundamento está no batismo como também acontece para a incorporação (Const.6).

A petição da associação conduz ao compromisso mutuo entre a Congregação e os batizados implicados na espiritualidade Eudista. Este compromisso espiritual gera, entre o associado e a Congregação de Jesus e Maria, direitos e deveres recíprocos de caráter fraternal e missionário, cujo conteúdo se acha nas Constituições.

Ser associado é uma maneira de entrar na família Eudista e se comprometer cada vez mais no “Serviço de Cristo e de sua Igreja”.

 

Tradução C. I. Rochereau