Além dos serviços na formação e na evangelização, os Eudistas temos posto a atenção e a ajuda às vítimas da marginalidade, o desemprego, os desastres naturais, vítimas pela violência armada, migrantes e em geral à população carente, principalmente (as mulheres sem marido ou aquelas que estão em risco de se prostituir, crianças e jovens carentes). 

Criamos bancos de roupa em bom estado em algumas partes do mundo, as quais são doadas às famílias carentes, assim mesmo, temos iniciado também em alguns locais um grande projeto chamado “Planos padrinhos”, com os quais os Eudistas ajudaram com o financiamento da educação das crianças carentes. Administramos também creches, orfanatos, comedores comunitários, centros de acolhidas para as crianças carentes, etc., os Eudistas estamos onde a pobreza bate com maior força.

Através da criação de consultórios sociais, brinda-se assessoria social, psicológica, jurídica laboral gratuita às pessoas que procuram assessoria e ajuda eficaz.

http://portal.cjm.org:8089/images/servicepoors.jpeg

Mediante de projetos localizados em contextos de carência e miséria, desenvolvemos atividades esportivas com crianças e jovens carentes, como alternativa para o seu desenvolvimento integral, evitando que iniciem no mundo do crack ou a delinquência. Ajudam-nos um grupo de voluntários e missionários, com os quais temos conseguido levar roupa e produtos de asseio às pessoas carentes e presidiárias. Temos também banco de alimentos onde oferecemos os produtos básicos às pessoas que vivem em condições miseráveis, as quais aportam uma cota simbólica.

Nós Realizamos também vários eventos para reunir recursos e brindar capacitação para aqueles que não têm a possibilidade de aceder à educação primária, secundária, o ensino meio e universitário. Oi! Você que está lendo esta mensagem, gostaríamos de convidá-lo para unir-se nestes exercícios da misericórdia de Deus, participando ativamente deles, através de uma doação o seu trabalho como voluntário.

Para vincular-se em nossos projetos, clique aqui...

 

Tradução C. I. Rochereau